Categorias: Cachorros, Notícias

Adestramento de Cães por Yuri Laps: Curso de e-collar para proprietários?

Curso de e-collar para proprietários?

Tenho visto ultimamente a propagação de cursos de adestramento que prometem os mais diversos resultados através do uso de coleiras de choque, isso me leva a pensar num dos problemas que eu vejo na maioria dos adestradores brasileiros, poucos possuem conhecimento teórico dos processos comportamentais de aprendizagem, enquanto qualquer pessoa facilmente aprende como treinar um cão (eu inclusive ensino todos meus clientes a treinarem seus próprios cães!), compreender a ciência e filosofia por trás da prática é muito mais difícil e requer anos de estudo.

14993413_1158512654241331_1774465491689682483_n

Devo iniciar dizendo que o problema não é o choque não funcionar, pois funciona (inicialmente)! A pergunta a se fazer é: a que preço? Alguns treinadores muito habilidosos podem até ser capazes de evitar alguns dos problemas que a coleira de choque pode causar, mas esse tipo de equipamento quando utilizado pelo público em geral pode levar à problemas graves.

Treinar um animal através de reforçamento positivo requer que nós desenvolvamos uma habilidade de timing para marcar o comportamento que desejamos e uma habilidade motora de entregar o petisco, quando você marca na hora errada ou tem problema na hora de entregar o petisco, você não causa nenhum mal ao animal, a aprendizagem apenas vai demorar mais tempo, ou o comportamento não vai ser exatamente igual ao que você desejava, mas nada de ruim aconteceu pro cão. Para um treino eficaz com a coleira de choque é necessário um timing perfeito, habilidade que pouquíssimos treinadores profissionais possuem, e dificilmente um proprietário desenvolverá. Como diz Ian Dunbar “Para utilizar choque como um método eficaz de treinamento você precisa de: a) uma compreensão profunda de comportamento canino; b) uma compreensão profunda da teoria de aprendizagem; c) timing impecável. E se você possui essas três coisas, você não precisa utilizar choque.”.

O principal motivo do choque funcionar para parar um comportamento é porque ele dói. O problema é que quando você treina através de dor você gera colaterais indesejados. Murray Sidman, um famoso analista do comportamento tem um livro inteiro dedicado ao tópico, chamado “Coerção e suas implicações”. Uma dessas implicações é que o choque será associado ao treinador e ao processo de aprendizagem, os choques causarão estresse e outros sentimentos que também serão associado ao treino, ao equipamento, roupas, local de treino, dia de sol, grama, etc…

Pense numa criança que sofre bullying quando vai à escola, depois de algum tempo associando a escola ao bullying a criança passa a sentir medo, ansiedade e mal estar só de chegar próximo da escola, ou até em casa antes de ir pra aula, além disso, tudo relacionado à escola pode se tornar desinteressante e causar repulsa, das tarefas de casa aos professores, pois foi associado às experiências negativas. E é isso que o seu cão vai sentir.

Outro problema é que para o comportamento se tornar confiável, é preciso praticar periodicamente nos mais variados ambientes, e rapidamente o cão irá entender que ele só leva choque quando está com a coleira, e se comportar de um modo quando está usando a coleira, e de outro quando está sem. Além disso, muitos cães preferem suportar o choque, principalmente depois de habituado, para fazer aquilo que ele deseja, o que desencadeia em outro problema:

Coleiras de choque levam facilmente à abusos. Como ao longo do tempo o cão vai desenvolvendo uma tolerância ao choque, é necessário o aumento constante da intensidade deste, que ao atingir níveis altos de dor e estresse irá resultar desde tentativas do cão de evitar o estímulo até a recusa completa de fazer qualquer coisa, o que acaba impossibilitando qualquer aprendizagem.

Um cão que leva choque durante um prolongado período de tempo e por vários comportamentos diferentes pode entrar num estado de “shut down” ou supressão global de comportamento. Donos podem equivocadamente achar que o cão foi “treinado” pois agora está calmo, quieto e não incomoda mais. Na realidade o cão está com tanto medo de fazer qualquer coisa e levar um choque que ele não faz mais nada. Em casos extremos o cão desenvolve o que é chamado de “desamparo aprendido”, irá buscar um lugar isolado, se encolher e desistir da vida.

Cães ao sentirem dor podem se tornar agressivos. Se um cão possui um histórico de agressividade o uso de choques se torna perigoso. Comportamento agressivo não deve ser punido (suprimido). Ao punir um cão agressivo e não ensinar um comportamento substituto, você está simplesmente varrendo o problema pra baixo do tapete e criando um problema muito maior, que é o cão se tornar agressivo sem nenhum aviso. Você pode ter punido os latidos, as rosnadas e o mostrar os dentes, então o cão vai passar a morder direto, o que é extremamente perigoso.

Cães que são treinados através de choques irão se comportar lentamente e deliberadamente, eles irão pensar muito e ter extremo cuidado para evitar sofrer o choque. Claro que um treinador mais habilidoso pode forçar o cão a se comportar rápido, é simples, basta dar um choque se o cão estiver lento, e se ele se comportar rápido ele evita o choque. Mas eles nunca irão amar o que estão fazendo.

Além de todos estes problemas, algumas pessoas se sentem poderosas ao castigar animais, e quando uma dessas pessoas adquire uma coleira de choque, facilmente ela vai entrar num ciclo vicioso de abuso que irá gerar muito sofrimento para seus cães.

Adestradores precisam estar cientes dos estudos de Stanley Milgram sobre obediência e autoridade. Autoridade carrega com si poder, e este poder nunca deve ser abusado. Se você tem autoridade e credibilidade as pessoas irão seguir as mais absurdas instruções de adestramento que você passar pra elas. (https://youtu.be/Y-_NDk8HCi0)

Deste modo, a maioria das organizações e associações de adestradores ao redor do mundo condenam o uso de coleiras de choque para treinar animais (AVSAB, PPG, KPA, APDT, CABTSG, BSAVA, ACPO, NCAE, HSUS) e vários países já proibiram ou restringiram o seu uso (Áustria, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Canada, País de Gales, Hungria, Itália, República Checa).

É importante entender que o choque não elimina comportamentos indesejados, o choque os suprime, e isso é muito diferente. Comportamentos suprimidos ainda estão lá, e ainda serão reforçados pois as coisas que causam esses comportamentos ainda estarão lá também. Quando você utiliza choque para tratar um problema comportamental você está utilizando um equipamento que causa medo, estresse e ansiedade num comportamento que está enraizado no medo, estresse e ansiedade, isso não faz sentido. É preciso trabalhar para aliviar estes sentimentos negativos e criar alternativas para o cão, este é o único meio que é eficaz, e é o único meio que é humano.

Texto de Yuri Laps – Adestramento e Psicologia Canina – Parceiro Vira Lata Clínica Veterinária.