Categorias: Notícias

Dia Mundial do Chimpanzé

Em honra ao parente vivo mais próximo do ser humano, foi instituído o dia 14/07 como o dia mundial do chimpanzé. É uma celebração  aos chimpanzés e uma oportunidade para criar consciência sobre a necessidade vital de uma participação global no seu cuidado, proteção e conservação, tanto em estado silvestre como os que são mantidos em cativeiros.

No dia 14 de julho de 1960, a Dra. Jane Goodall pisava pela primeira vez o que hoje conhecemos como o Parque Nacional de Gombe, na Tanzânia, para estudar os chimpanzés silvestres. A Dra. Goodall salientou a singularidade do chimpanzé e, até este momento, seis décadas depois, tem erguido sua voz por eles.

De um modo geral o Dia Mundial do Chimpanzé tem como objetivo além de celebrar o nosso parente vivo mais próximo, compartilhar o conhecimento e promover ações, mostrando a todo o mundo seu caráter único, sua importância e as semelhanças com o ser humano. Conscientizar a humanidade sobre as ameaças que eles enfrentam em seu entorno natural, incluindo a perda de habitat, as enfermidades e o tráfico ilegal. Promover condições adequadas aos chimpanzés mantidos em cativeiros.

As entidades fundadoras do Dia Mundial do Chimpanzé pretendem influenciar as comunidades de todos os lugares para que se comprometam em propiciar aos chimpanzés bem estar, assegurando a proteção e um futuro esperançoso para esta magnífica espécie. 

No Brasil estima-se que vivam cento e vinte chimpanzés em cativeiro, aqui como em outros países eles já tiveram sua criação comercial liberada para servirem de mascotes, hoje tal atividade está proibida, mas muitos destes animais que tinham seu fim em picadeiros circenses agora se encontram em cativeiros conservacionistas ou jardins zoológicos. As fotos abaixo são do Bob que também pertenceu a um circo antes de viver no Zoo de Curitiba, hoje estima-se que ele tenha aproximadamente 56 anos, em cativeiro a expectativa de vida é de 60 anos.

Os chimpanzés estão em grande perigo. A cem anos se estimava uma população oscilante entre um e dois milhões de indivíduos em vinte e cinco países da África. Hoje, estima-se um número menor que trezentos e cinquenta mil chimpanzés silvestres habitando o continente africano

O que precisamos fazer para mudar estes números? Diminuir a perda de seu habitat, acabar com o uso de chimpanzés como mascotes e o tráfico de carne de chimpanzés, estas são algumas das maiores ameaças para nossos parentes mais próximos do reino animal.

Texto por Edgar Cardoso.